quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Jogo: Capturando Poliedros

Na manhã do dia 28 de setembro de 2015, as bolsistas Bruna Rodrigues, Caroline Lopes e Janaína Muniz do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) do subprojeto de Matemática da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), atuantes na Escola de Ensino Médio Monsenhor Linhares, aplicaram jogo "Capturando Poliedros” aos alunos do 1º ano “C”.

Foto: Bruna Rodrigues
O jogo é formado por dois tipos de cartas, um tipo com nomes de poliedros e outro com as propriedades dos mesmos. As cartas das propriedades depois de embaralhadas ficaram viradas com as faces para baixo, sobre a mesa, enquanto que as cartas dos poliedros estavam próximas porém, com as faces para cima. Caso fosse retirada a carta coringa de propriedades, o jogador podia escolher uma propriedade qualquer, desde que fosse de poliedros e capturasse todas as cartas que pertencem a essa propriedade.

Foto: Bruna Rodrigues

Foto: Janaína Muniz

Foto: Janaína Muniz
Os estudantes escolheram a ordem em que cada um jogava. Por vez, o jogador deveria tirar uma carta das propriedades e capturar todas as cartas de poliedros que satisfez a propriedade retirada. O jogo acabou quando todas as cartas de poliedros foram retiradas. Devido a um empate foi necessário uma segunda rodada. Apesar de possuir jogadas individuais, durante o jogo, uns ajudaram aos outros como um trabalho equipe, e ganharam ainda mais conhecimento em relação ao assunto.

Observações em Sala de Aula

Na manhã do dia 28 de setembro de 2015, a aluna Caroline lopes Cruz, bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) do Subprojeto de Matemática da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) atuante na Escola de Ensino Médio Monsenhor Linhares, realizou observações em sala de aula, na turma do 2° ano "A", com a professora Sabrina de Sousa. A aula fundamentou-se na resolução do simulado preparatório para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), na ocasião a professora, ainda, disponibilizou as notas referentes ao simulado.
Foto: Caroline Lopes
Foto: Caroline Lopes
Foto: Caroline Lopes
O momento de observação em sala de aula é uma oportunidade excepcional
 de aprendizagem da docência, uma vez que concede ao estudante um contato inicial com a classe, ambiente na qual irão atuar, sobretudo com o método de ensino e aprendizagem.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Reunião Mensal do Subprojeto

Na tarde do dia 24 de Setembro de 2015, aconteceu no Laboratório de Ensino de Matemática (LEMA) a Reunião Mensal do Subprojeto de Matemática, mediada pelo coordenador de área Márcio Nascimento. Nessa reunião foi repassado alguns informes e socialização de atividades. 
Inicialmente os grupos relataram sobre a participação nos minicursos do V Encontro PIBID, foram feitas algumas reflexões partindo da visão de cada um. Em seguida, houve a socialização das atividades realizadas por cada equipe.
Foto: Verônica Tabosa
Foto: Verônica Tabosa
Durante o encontro foi informado a data do próximo ciclo de reflexões, que acontecerá no dia 08 de Outubro e será promovido pela equipe da Escola Sinhá Sabóia.
Foto: Verônica Tabosa
Ainda foi sugerido pelo coordenador de área a inclusão de oficinas voltadas à formação docente. Esta proposta foi aceita por todos os bolsistas e fará parte do calendário de atividades desenvolvidas pelo PIBID a partir de 2016 e ocorrerá da seguinte forma: cada equipe será responsável por ministrar além do ciclo de reflexões, uma oficina, tais atividades serão alternadas durante os meses do ano, ou seja, em um acontece o ciclo, em outro uma oficina, com o objetivo de oportunizar a todos os acadêmicos ampliarem seus conhecimentos e ainda, conhecerem melhor as ações proporcionadas pelo PIBID e o quanto são importantes para a carreira docente.

Foi comentado, também, sobre a elaboração dos planos quadrimestrais, para assim, dar continuidade as ações desenvolvidas nas escolas parceiras do subprojeto.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Oficina: Estudando o Teorema de Pitágoras".

Na tarde do dia 21 de setembro de 2015, as bolsistas Deyse Linhares e Karoline Freitas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) do subprojeto de Matemática da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), atuantes na Escola de Ensino Médio Monsenhor Linhares, aplicaram uma oficina aos alunos do 1º ano 'E' e 3º ano 'C' do turno da tarde, com o tem "Estudando o Teorema de Pitágoras.
Foto: Deyse Linhares
Foto: Karoline Freitas
Foi entregue a cada aluno uma apostila com uma breve explicação do famoso teorema, no qual as bolsistas deram ênfase ao fazerem a leitura, em seguida havia uma lista de exercício com seis questões bem simples a respeito do tema.

Foto: Deyse Linhares
Foto: Karoline Freitas
As bolsistas determinaram um tempo para que os alunos tentassem resolver as três primeiras questões, e após o fim do tempo uma das bolsistas resolveu com eles de forma expositiva, o mesmo ocorreu com as três últimas questões.
Foto: Karoline Freitas
Foto: Deyse Linhares
Embora o teorema de Pitágoras seja um assunto estudado desde o ensino fundamental, os alunos do ensino médio sentem muita dificuldade em resolver questões que o envolvam, muitas vezes não pelo fato de não saberem utilizar a fórmula, mas sim por não conseguirem interpretar a questão de forma clara. Visto isso, acreditamos que o momento foi bastante proveitoso para ajudá-los a lembrar do assunto.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Observações em Sala de Aula

Na tarde do dia 21 de Setembro de 2015, a bolsista Deyse Linhares, do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) do Subprojeto de Matemática da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) e que atua na Escola de Ensino Médio Monsenhor Linhares, realizou observações em sala de aula, na turma do 3° ano “C” com a professora Sabrina de Sousa. A aula consistiu na correção da avaliação aplicada aos alunos. É interessante que o docente faça essa correção, pois auxilia os estudantes a verificarem onde erraram e acertaram. Sem contar que, com isso é possível retirar as dúvidas restantes em relação ao conteúdo. 
Foto: Deyse Linhares
Foto: Deyse Linhares

Para Macedo (1989), o erro e o acerto não são privilégios de quem sabe, mas são caminhos necessários ao conhecimento. O erro em algumas escolas não pode continuar sendo encarado como sinônimo de fracasso, merecendo castigo, mas como instrumento riquíssimo para a compreensão do processo da estruturação do pensamento do aluno, um ser em formação e sua condição de ser em desenvolvimento.

sábado, 19 de setembro de 2015

Minicurso Jogos Africanos no Ensino de Matemática

Na manhã do dia 17 de Setembro de 2015, aconteceu no Laboratório de Ensino de Matemática (LEMA) o minicurso intitulado “Jogos Africanos no Ensino de Matemática”, ministrado pelo grupo de bolsistas da Escola de Ensino Médio Monsenhor Linhares, localizada em Groaíras. O minicurso foi ofertado para um total de 20 participantes e foi dividido em três momentos. Inicialmente foi feito uma breve apresentação sobre a cultura africana, sua história, seus costumes, tradições, religião, curiosidades e etc. Ainda, aconteceu uma discussão sobre a criação e introdução da Lei nº. 10.639/2003 no currículo escolar, que institui a obrigatoriedade do ensino da História e Cultura Afrobrasileira e Africana nos currículos escolares do Ensino Fundamental e Médio. No segundo momento, ocorreu a exploração de alguns jogos africanos, mais precisamente o Yoté, o Borboleta (assim chamado em Moçambique, talvez pelo fato da forma de seu tabuleiro), o Shisima e o Mancala (jogo mais antigo do mundo). Os tabuleiros foram confeccionados pelas bolsistas autoras desse minicurso. Foi possível mostrar para os participantes a junção entre os conhecimentos Matemáticos presentes nos jogos, tais como o raciocínio lógico, estratégia, noções de espaço e diversos outros, sem falar na imensa interdisciplinaridade envolvida nessa atividade. Foi explicado também, as regras e objetivos de cada jogo e os participantes foram convidados para jogá-los e disputá-los entre si. Para finalizar, abriu-se um espaço para discussões a respeito do tema e assim encerrou-se o minicurso.
D’ Ambrósio afirma que, “reconhecer e respeitar as raízes de um indivíduo não significa ignorar e rejeitar as raízes do outro, mas, num processo de síntese, respeitar as próprias raízes”.


Um pouco sobre os jogos abordados no minicurso →

O Yoté é muito popular em toda a região oeste da África, particularmente no Senegal, onde os jogadores e os espectadores fazem apostas. Em algumas tribos, este jogo é reservado exclusivamente aos homens, e às vezes, é usado para resolver conflitos entre eles. É um jogo de confronto estratégico para dois jogadores, usa-se um tabuleiro com doze peças escuras e doze peças claras. O objetivo do jogo é capturar ou bloquear todas as peças do adversário.

O jogo é chamado Borboleta em Moçambique, provavelmente por causa da forma do tabuleiro. Na Índia e em Blangadesh, as crianças chamam o mesmo jogo de Lau Kata Kati.

As crianças do país africano Quênia jogam um jogo de três alinhado chamado Shisima. Na língua tiriki, a palavra shisima quer dizer "extensão de água". Eles chamam as peças de imbalabavali, ou pulgas d'água. As pulgas d'água se movimentam tão rapidamente na água que é difícil acompanhá-las com os olhos. É com essa mesma velocidade que os jogadores de Shisima mexem as peças no tabuleiro.

O jogo Mancala é um jogo milenar, comum nos países africanos e foi difundido principalmente quando negros e escravos migraram pelo mundo. Assim, a mancala compõe uma família de jogos de tabuleiro ao redor do mundo, algumas vezes chamada de jogos de semeadura ou jogos de contagem e captura.

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Simulado: 2ª fase da OBMEP

Na tarde do dia 08 de setembro de 2015, as bolsistas Karoline Freitas e Deyse Linhares do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) do subprojeto de Matemática da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), atuantes na Escola de Ensino Médio Monsenhor Linhares, tiveram um encontro com os alunos classificados para realizarem a 2ª fase da Olimpíada Brasileira de Matemática nas Escolas Públicas (OBMEP) onde houve a realização de um simulado da avaliação.
Foto: Deyse Linhares

Foto: Karoline Freitas
O momento aconteceu da seguinte forma: as bolsistas davam aos alunos 10 minutos para que eles tentassem resolver uma questão, e em seguida a resolvia com eles. 
Foto: Deyse Linhares

Foto: Karoline Freitas
Este processo ocorreu para as seis questões do simulado, sendo que cada bolsista resolveu três das questões de forma expositiva ou com a reprodução de vídeos de professores respondendo aos determinados problemas.
Foto: Karoline Freitas

Foto: Deyse Linhares
A tarde foi bem proveitosa, e pôde se notar o empenho dos alunos em resolver as questões. A prova acontecerá no dia 12 deste mês (sábado). Desejamos uma ótima prova aos nossos alunos.

Projeto "+ Matemática"

Durante o mês de Agosto de 2017, os bolsistas do Subprojeto de Matemática do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBI...